Equipa de basquetebol em Caserta de olhos postos na fase de grupos

 

A Seleção Nacional Universitária de basquetebol feminina que irá defender as cores nacionais na Universíada de Verão Nápoles 2019 já se encontra em Itália. A três dias de se estrear em competição, frente à equipa da Argentina, é ainda tempo de medir o pulso à cidade e continuar a preparação para entrar com o pé direito na competição.

 

Pela segunda vez numa universíada, Joana Soeiro, sabe da riqueza desportiva que a competição envolve. ‘Por ser uma prova mundial e não europeia, que é o que estamos mais habituadas e que nos leva a defrontar equipas com o mesmo estilo de jogo muitas vezes, aqui temos diferentes estilos’ disse, sem esquecer a parte cultural. ‘Vir à universíada é sair da cultura europeia e poder estar em contacto com uma mistura muito boa de culturas de todo o mundo’, acrescentou a estudante-atleta que seguiu a via académica nos Estados Unidos.

 

‘Quanto às adversárias… a Rússia é forte, não sabemos tanto o que esperar da Argentina porque terá uma cultura desportiva diferente, mas na última universíada ficamos em nono lugar e o objetivo é melhorar sempre. Queremos ficar nos primeiros dois lugares do grupo para depois tentar ficar nos oito primeiros’ traçou a basquetebolista portuguesa, vincando o objetivo de deixar marca em Itália. Queremos ir melhorando sempre a nossa prestação a cada dois anos e ganhar o respeito nesta modalidade e nesta competição’. Sobre o ambiente no seio do grupo, não poderia ser melhor, assegura. ‘Das doze, oito ou nove juntam-se sempre desde os sub-15/sub-16 para representar as seleções e damo-nos muito bem fora de campo. Isso também se reflete na altura de competir’.

 

Também para o selecionador nacional universitário, Ricardo Vasconcelos, esta competição não é novidade. ‘O espírito de uma universíada é muito semelhante ao espírito olímpico, tudo gira à volta do estudante-atleta português com um requinte multidesportivo. Não se trata de uma modalidade da Nação mas sim do desportista da nossa Nação! A dimensão física e intelectual do evento ganha contornos muito superiores ao de outras competições em que já participamos’, começou por dizer. ‘No caso concreto do basquetebol, o que tem de mais espetacular é o contacto com nações fora da europa, com culturas de basquetebol completamente díspares, e sentir as diferenças desde o sul-americano ao australiano’.

 

O selecionador português, que também treina a equipa nacional, entende que a parceria entre a Federação Portuguesa de Basquetebol e a Federação Académica do Desporto Universitário é ‘super proveitosa’ porque reúne o melhor de vários mundos. ‘Esta competição permite a várias jogadoras com afirmação recente no escalão seniores ganhar muita experiência internacional e também funciona como uma grande motivação para trabalhar e atingir mais e maiores palcos dentro da modalidade’. No que respeita a objetivos, o treinador tem os pés assentes na terra e a ambição assente nos sonhos: ‘Temos como meta fazer melhor do que há dois anos e para isso estamos obrigados a ficar nos dois primeiros lugares do nosso grupo. Acreditamos nisso porque o grupo tem uma ótima ética de trabalho e é ambicioso’.

 

De referir ainda que a equipa de basquetebol, composto por doze atletas, compete em Caserta nos dias 3, 4 e 5 de julho, tendo pela frente as seleções da Argentina, Roménia e Rússia, equipas que fazem também parte do grupo B.

 

e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?