FISU - Universíadas

Ricardo Brancal termina Slalom Gigante na 53.ª posição

 

O esquiador Ricardo Brancal competiu pela primeira vez, na Universíada de Inverno em Krasnoyarsk, na madrugada desta sexta-feira. O português ficou na 75.ª posição na primeira manga e após terminar a segunda, terminou a competição de Slalom Gigante na 53.ª posição, num total de 101 participantes.

 

‘Estou satisfeito com a segunda manga, mas não com a primeira, fui muito conservador e isso prejudicou-me a performance’, confessou o atleta luso no final da prova, ele que envergou o dorsal 94. ‘A pista era bastante desafiante, principalmente no segundo setor da prova, no qual perdi mais tempo. A classificação final poderia ter sido um top 50 se a primeira manga tivesse corrido como a segunda’.

 

Com o resultado alcançado no somatório de tempo das duas mangas, Ricardo Brancal melhorou a sua pontuação na International Ski Federation (FIS) e deverá subir alguns lugares na próxima atualização do ranking internacional.  

 

As cores nacionais voltam a estar em prova na madrugada desta segunda-feira (3h e 6h, horas em Portugal – 10h e 13h, horário local), desta feita em Slalom.

 

Universíadas de Inverno voltaram a ver a bandeira de Portugal

 

No dia em que a Federação Académica do Desporto Universitário (FADU Portugal) assinou 29 anos, uma edição das Universíadas de Inverno voltou a ver a bandeira de Portugal hasteada. 24 anos depois da última participação, Ricardo Brancal vai representar o desporto universitário português.

 

A cerimónia de abertura, que decorreu no dia 2 de março, contou com a presença do presidente da Rússia, Vladimir Putin. A Arena de Gelo Platinium recebeu a cerimónia de abertura da 29ª Universíada de Inverno.

 

Na cerimónia estiveram presentes o presidente da FADU, Daniel Monteiro e o chefe da missão e vice-presidente da FADU, Pedro Castro. O atleta e o técnico nacional (e também Diretor Técnico Nacional da Federação de Desportos de Inverno partiram de Lisboa na madrugada de domingo, estando já em Krasnoyarsk a preparar a participação nacional.

 

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse na cerimónia de abertura que “os milhares de atletas vão demonstrar a sua perícia, velocidade, poder, resistência e vontade de vencer, o que, em conjunto com um forte caráter e respeito pelos adversários vão gerar uma competição que ficará para ser nas vossas memórias”, sendo assim “mais um capítulo brilhante na história do Desporto Universitário”.

 

Já o presidente da Federação Internacional do Desporto Universitário (FISU), Oleg Matytsin, mostrou-se satisfeito por ver a Rússia receber pela primeira vez uma Universíada de Inverno.

 

Portugal volta a marcar presente neste evento, que foi oficialmente aberto no dia do 29º aniversário da FADU, marcando assim da melhor forma este regresso, 24 anos depois da última participação com as cores nacionais.

 

 

Para além do desfile na cerimónia de abertura, a bandeira de Portugal também já foi hasteada na aldeia olímpica. Esta missão é coordenada pela FADU e conta com o apoio da Federação de Desportos de Inverno.

 

Com 58 países participantes, o Afeganistão abriu o desfile das bandeiras, com a Rússia a encerrar o evento, com uma comitiva de 293 estudantes-atletas. Mais de 1700 estudantes-atletas vão participar nesta Universíada, que decorre até 12 de março. Portugal participa no Slalom e Slalom Gigante com Ricardo Brancal.

24 anos depois, Portugal volta a uma Universíada de Inverno

 

Portugal vai voltar a marcar presença numa Universíada de Inverno, entre os dias 2 e 12 de março, em Krasnoyarsk, na Rússia. Ricardo Brancal vai participar nas provas de Slalom e Slalom Gigante, numa missão coordenada pela Federação Académica do Desporto Universitário (FADU), em parceria com a Federação de Desportos de Inverno de Portugal.

 

Ricardo Brancal tem atualmente 22 anos e é campeão nacional absoluto e campeão nacional universitário de Esqui Alpino. O atleta da Covilhã terminou a 17 de fevereiro a participação no Campeonato do Mundo de Esqui Alpino.

 

Atualmente a frequentar o mestrado em Engenharia Biológica, no Instituto Superior Técnico, na Universidade de Lisboa, Ricardo Brancal licenciou-se na Universidade da Beira Interior, onde se sagrou várias vezes Campeão Nacional Universitário de Esqui Alpino. 

 

O esquiador português vai participar na prova de Slalom Gigante no dia 8 de março e na prova de Slalom no dia 11 de março. O estudante-atleta Ricardo Brancal aponta ao top50 desta Universíada, apesar de "reconhecer o elevado nível competitivo deste evento" e as condições de treino dos adversários. 

 

 

A missão coordenada pela FADU será chefiada pelo vice-presidente, Pedro Castro e terá como técnico o Diretor Técnico Nacional da Federação de Desportos de Inverno, Sérgio Figueiredo. O presidente da FADU, Daniel Monteiro vai também acompanhar de perto a competição, tendo em conta que esta é apenas a segunda participação de Portugal desde que a FADU foi fundada.

 

Para o presidente da FADU, Daniel Monteiro, esta é uma participação histórica, “não só por aquilo que representa Portugal regressar a uma competição como esta 24 anos depois, mas também pela importância que esta assume no desenvolvimento desportivo do atleta em questão”.

 

A partida da comitiva nacional está agendada para o dia 4 de março e o regresso apontado para o dia 12 de março.

 

Universíada de Inverno junta 3000 estudantes-atletas

 

Krasnoyarsk, na Rússia, vai receber 3000 estudantes-atletas entre os dias 2 e 14 de março, na maior competição multidesportiva de Inverno do desporto universitário. A Universíada de Krasnoyarsk vai contar com 11 modalidades.

 

A cidade de Krasnoyarsk, na região da Sibéria, vai registar durante os dias da competição uma temperatura média a rondas os 25 graus negativos.

 

Portugal participou duas vezes nas Universíadas de Inverno, uma delas ainda antes da fundação da FADU. Rosa Lã participou em 1966, em Itália, no Downhill, enquanto Pedro Flávio participou em 1995, já sob a égide da FADU, em Espanha, também em Slalom e Slalom Gigante.

Prémios monetários das Universíadas duplicam

 

O Ministério da Educação, responsável pela pasta do Desporto, aprovou o aumento dos prémios monetários para os atletas vencedores de competições internacionais. No que ao desporto universitário diz respeito, os prémios para os medalhados em Universíadas duplicam face aos valores de 2014.

 

Os medalhados em Universíadas, que desde 2014, recebiam 5.000 euros (medalha de ouro), 2.000 euros (medalha de prata) e 1.000 euros (medalha de bronze), veem os prémios duplicados, com este aumento a ter efeitos retroativos já na Universíada de Taipé em 2017. 

 

Os atletas de equipas coletivas medalhadas recebem o valor correspondente de uma fórmula que tem em conta o número de atletas por equipa, garantindo assim a justiça na atribuição destes prémios monetários.

 

Os aumentos registam-se em quase todas as categorias de competições internacionais mas o principal destaque vai para a equiparação dos valores entre medalhados olímpicos e paralímpicos.

 

No que toca à atribuição de prémios financeiros para medalhados em Universíadas, depois de passarem a estar abrangidos desde 2014, veem quatro anos depois os valores duplicar, valorizando assim a participação dos estudantes-atletas na maior competição multi-desportiva do mundo universitário.

 

Os treinadores dos atletas e/ou equipas medalhadas garantem também um prémio monetário, valorizando também o trabalho dos técnicos que diariamente trabalham com os estudantes-atletas.

 

Para o presidente da FADU, Daniel Monteiro, a duplicação dos prémios monetários para os medalhados em Universíadas, “é um reconhecimento da importância que a participação nas Universiadas tem hoje na organização desportiva do nosso país”, acrescentando que, “duplicar os prémios monetários para os atletas que atinjam lugares de pódios nestas competições é, também, um sinal que é dado quanto à importância de participação nestes eventos para atletas de alto rendimento, num estímulo para que conjuguem a carreira desportiva com a vida académica”.

 

Os primeiros prémios foram atribuídos aos medalhados na Universíada de Taipé, onde Portugal conquistou cinco medalhas: Francisco Belo e Diogo Ferreira (ouro), Rui Bragança (prata) e Marta Onofre e Nuno Borges (bronze).

 

Susana Feitor volta a assumir Chefia da Missão portuguesa às Universíadas

 

A olímpica Susana Feitor voltou a ser a escolhida pela Federação Académica do Desporto Universitário (FADU) para chefiar a missão portuguesa à Universíada de Nápoles, que se vai disputar entre os dias 3 e 14 de julho, nesta cidade italiana.

 

Susana Feitor liderou em 2017 a missão nacional que igualou a melhor prestação portuguesa de sempre em Universíadas, com um total de cinco medalhas (duas delas de ouro), pretendendo agora a FADU dar continuidade ao projeto iniciado há dois anos.

 

A marchadora é a atleta feminina portuguesa com mais participações em Jogos Olímpicos (5), tendo ainda conquistado uma medalha de bronze no Campeonato do Mundo em Helsinquia em 2005 e a medalha de prata na Universíada de Pequim em 2001.

 

Susana Feitor foi recordista nacional dos 20kms marcha durante sete anos, tendo sido campeã europeia e mundial no escalão júnior, antes de iniciar as conquistas ao nível absoluto. Sempre atenta à vida de um atleta no seu todo, liderou a Comissão de Atletas Olímpicos durante o período de maior sucesso da sua vida desportiva. 

 

“Tendo em conta a experiência internacional bem como o conhecimento cada vez mais aprofundado da importância do Desporto Universitário como motor de desenvolvimento do desporto nacional”, a FADU justificou assim a sua “renovação” para o projeto de Nápoles 2019.

 

A FADU e Susana Feitor iniciaram já as reuniões com as federações desportivas que vão participar neste que é o maior evento multidesportivo do Desporto Universitário e que reúne mais de 10 mil estudantes-atletas.

 

Em 2017, Portugal conquistou duas medalhas de ouro, uma de prata e duas de bronze, por intermédio de Francisco Belo, Diogo Ferreira e Marta Onofre, no atletismo, Rui Bragança, no taekwondo e Nuno Borges, no ténis.

 

A participação portuguesa nas Universíadas é coordenada pela FADU (Federação Académica do Desporto Universitário), em conjunto com as Federações Desportivas das modalidades envolvidas na participação. No histórico de Universíadas, Portugal, conquistou já 37 medalhas (13 de ouro, 13 de prata e 11 de bronze), tendo, entre os medalhados, nomes como Nélson Évora, Fernando Pimenta, Sara Moreira, Patrícia Mamona, Naide Gomes e Susana Feitor, entre outros. Na última edição, o nosso país, igualou a melhor prestação de sempre com 2 medalhas de ouro, 1 medalha de prata e 2 medalhas de bronze.

 

A Universíada é a maior competição multidesportiva do setor universitário, reunindo de 2 em 2 anos cerca de 10 mil atletas. Em 2019, disputa-se em Nápoles, entre os dias 3 e 14 de julho. A competição, disputa-se nas modalidades de Atletismo, Basquetebol, Esgrima, Futebol, Ginástica Artística, Ginástica Rítmica, Judo, Natação, Pólo Aquático, Saltos para a água, Taekwondo, Ténis, Ténis de Mesa, Tiro com Arco e Voleibol, como modalidades oficiais e Rugby, Tiro e Vela como modalidades opcionais.

ERASMUS+: Sport Infoday

A FADU esteve ontem em Bruxelas, presente no Sport Infoday, organizado pela Comissão Europeia ao abrigo do programa ERASMUS+.

A conferência, com o intuito de informar potenciais candidatos sobre o novo programa e as suas oportunidades de financiamento, contou com cerca de 570 participantes e com a intervenção do Comissário Europeu para a Educação, Cultura, Juventude e Desporto, Tibor Navracsics.

As sessões da conferência contou com informação que sobre as diversas prioridades políticas, bem como conselhos práticos e dicas sobre preparação e apresentação de propostas.

Ricardo Brancal terminou participação em Krasnoyarsk

O esquiador português Ricardo Brancal, único representante luso na Universíada de Inverno em Krasnoyarsk, terminou na madrugada desta segunda-feira a sua participação em esqui alpino. Brancal participou nas provas de Slalom Gigante, onde terminou na 53.ª posição, e de Slalom, onde não conseguiu terminar a primeira manga.

 

Na prova de Slalom, em que o esquiador quis participar mesmo após uma queda no último treino, as condições adversas e a exigência da pista levaram a que o português não conseguisse chegar ao fim, à semelhança do que aconteceu com grande parte dos esquiadores em prova (dos 93 atletas que participaram, apenas 38 conseguiram completá-la).

 

‘Foi pena não conseguir terminar porque parte do primeiro setor da prova correu bem e podia ter feito uma boa pontuação FIS’, confidenciou o português no final da prova, ele que fez um balanço positivo da sua prestação na Rússia.

 

‘Foi muito bom e importante representar Portugal num evento universitário a nível mundial. Foi uma experiencia competitiva e cultural bastante interessante. A pista era bastante dura, muito gelada, e exigia um treino específico, que infelizmente não tenho. Tentei dar sempre o meu melhor’ reforçou, falando ainda dos objetivos que tinha quando saiu de Portugal.

 

‘As expectativas passavam por reduzir a pontuação FIS e subir no ranking internacional. Consegui fazê-lo no Slalom Gigante, embora pudesse ter atacado mais na primeira manga. Quanto ao Slalom, cometi um erro que me custou a prova. Nesta disciplina é tudo muito rápido e é frequente ocorrerem este tipo de erros em que existe apoio a mais no esqui interior, o que faz com que acabe por passar pelo lado errado da porta’.

 

Prestes a regressar a Portugal com a comitiva lusa, Ricardo Brancal frisou o apoio que teve durante os dias em Krasnoyarsk. ‘Quero agradecer ao selecionador nacional, Sérgio Figueiredo, que esteve sempre presente nas provas, fez o acompanhamento todo nos treinos, no visionamento dos vídeos, na preparação do equipamento… pelo apoio psicológico que também é muito importante, porque depois da queda no treino de ontem foi fundamental nessa recuperação. Quero agradecer à FADU e à Federação de Desportos de Inverno de Portugal pelo apoio, orientação e acompanhamento ao longo destes dias’.

 

 

 

Ricardo Brancal estreia-se esta sexta-feira em Krasnoyarsk


 

Portugal participa em dez modalidades na Universíada de Nápoles

 

 

A missão portuguesa à Universíada de Nápoles 2019, que decorre entre os dias 3 e 14 de julho, vai participar em dez modalidades: duas coletivas e oito individuais. O basquetebol feminino e o voleibol masculino vão voltar a marcar presença na maior competição multidesportiva do mundo universitário.

 

Depois de alcançar lugares dentro do top10 na última edição da Universíada de verão, o basquetebol feminino e o voleibol masculino vão voltar a ser as modalidades coletivas em que Portugal marcará presença na edição de 2019. Em 2017, em Taipé, Portugal alcançou o 9º lugar no basquetebol feminino e o 8º lugar no voleibol masculino.

 

No que diz respeito às modalidades individuais, a missão coordenada pela Federação Académica do Desporto Universitário (FADU), vai marcar presença no atletismo, a modalidade com maior número de medalhas portuguesas em Universíadas, alcançando três apenas em 2017; na esgrima, na ginástica artística e na ginástica rítmica, no judo, na natação, no ténis (onde Portugal obteve a primeira medalha em Universíadas em 2017) e no Taekwondo (que em 2017 alcançou também uma medalha).

 

A participação de Portugal em dez das 18 modalidades presentes na Universíada de Nápoles faz-se tendo em conta a decisão estratégica da FADU em parceria com as federações desportivas das modalidades, numa lógica de desenvolvimento integrado do desporto e do atleta português.

 

A missão portuguesa à Universíada de Nápoles 2019 será novamente chefiada pela olímpica Susana Feitor, que em 2017 liderou uma missão que conquistou cinco medalhas, igualando a melhor prestação de sempre de Portugal em Universíadas.

 

A Universíada de Nápoles 2019 decorre entre os dias 3 e 14 de julho e reúne 10 mil estudantes-atletas de todo o mundo. Portugal conquistou já dezenas de medalhas por intermédio de nomes como Nélson Évora, Fernando Pimenta, Patrícia Mamona, Rui Bragança, entre muitos outros.

 

 

 

Missão Portuguesa às Universíadas reúne com federações desportivas

 

A missão portuguesa à Universíada de Nápoles 2019, liderada pela olímpica Susana Feitor, levou a cabo no último mês um conjunto de reuniões com as federações desportivas para preparar a participação portuguesa na maior competição multidesportiva do mundo universitário.

 

A ronda de encontros começou na Federação de Ginástica de Portugal, com o Diretor Técnico Nacional da Ginástica Artística e também da Ginástica Ritmica, seguindo depois para a Federação Portuguesa de Natação.

 

A FADU marcou já encontro também com a Federação Portuguesa de Atletismo, uma das modalidades com maior tradição em Universíadas, bem como a Federação Portuguesa de Ténis, que na Universíada de Taipé, em 2017, conquistou uma medalha de bronze, através do Nuno Borges.

 

 

Ainda nas raquetes, a Federação Académica do Desporto Universitário sentou-se já à mesa com a Federação Portuguesa de Esgrima. A Federação Portuguesa de Tiro com Arco reuniu também com a FADU, com vista a analisar uma participação na Universíada de Nápoles.

 

Nas modalidades coletivas, a FADU esteve reunida com a Federação Portuguesa de Basquetebol, que na última edição das Universíadas participou com uma equipa feminina, que obteve a melhor classificação de sempre, com um 9º lugar e com a Federação Portuguesa de Voleibol, que alcançou também o melhor lugar de sempre, o 8º posto. 

 

A ronda de reuniões vai ter continuidade no inicio do ano de 2019, com vista a preparar atempadamente a participação na Universíada de Nápoles, que decorre entre os dias 3 e 14 de julho de 2019.

 

 

 

As reuniões são coordenadas, pela FADU, pela Chefe da Missão Portuguesa, Susana Feitor, tendo ainda participado o presidente da FADU, Daniel Monteiro, o vice-presidente para a área internacional, Pedro Castro e o responsável pelo departamento internacional, Marco Oliveira.

 

As modalidades que compõem o calendário são o atletismo, o basquetebol, saltos para a água, futebol, esgrima, tiro com arco, ginástica artística, ginástica rítmica, judo, rugby 7s, vela, tiro, natação, ténis de mesa, taekwondo, ténis, voleibol e pólo aquático.

Comissão da ENAS reúne em Portugal

A Universidade do Porto, foi a escolhida para acolher mais uma reunião da ENAS (European Network Academic Services), contando com a organização do Centro de Desporto da Universidade do Porto que decorreu entre os dias 9 e 10 de Fevereiro.

Constituída por dez elementos representantes das suas Universidades, a Comissão Executiva reuniu como principal intuito aprimorar a estratégia desta Associação e a sua relação com os membros europeus que a constituem.

Bruno Almeida, diretor do Centro de Desporto da U.Porto (CDUP-UP), faz também parte da comissão executiva da ENAS, desde 2013, tendo integrado estas reuniões “nas quais foram analisadas a conferência anual da ENAS que decorreu no passado mês de Novembro, em Lille, e em que começamos os preparativos para a próxima Conferência Anual que será em Berlim”.

A Comissão Executiva da ENAS foi ainda recebida na Reitoria da Universidade do Porto por Fernando Remião, pró-reitor para a Inovação Pedagógica e Desporto, onde estiveram também presentes Duarte Lopes (anterior Presidente da ENAS), Fernando Parente (Representante da FADU no Comité Executivo da EUSA) e a Presidente da FADU, Filipa Godinho.

Portugal tem tido um papel muito ativo na ENAS através do envolvimento e representação de várias instituições de Ensino Superior do País.

 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?