Workshop: Estatuto Estudante Atleta - perspetivas e regulamentação



No contexto da realização do Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA), em Coimbra, a FADU promoveu, no sábado, dia 20, em parceria com a Associação Académica de Coimbra, um Workshop subordinado ao tema “Estatuto Estudante Atleta - perspetivas e regulamentação”.

O evento aconteceu no Auditório da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra e contou com a participação 4 ilustres oradores moderados por Paulo Figueira, Presidente da Mesa da Assembleia Geral da FADU.

À semelhança do que aconteceu na Mesa Redonda de Aveiro, este foi um momento que procurou a recolha de testemunhos e contributos para integrar a proposta de recomendações para o Estatuto Estudante-Atleta.

O encontro começou com uma sessão de boas-vindas pelo Presidente da Associação Académica de Coimbra, Bruno Matias, seguindo-se a apresentação do tema e respetivos oradores pela Presidente da FADU, Filipa Godinho.

Para este workshop foi convidado um painel de oradores que, de forma breve, expuseram as suas ideias sobre a importância do Estatuto Estudante-Atleta e os critérios no qual se deve focar. Os oradores ressalvaram também os critérios e requisitos que o Estatuto deve contemplar, a sua amplitude e abrangência, rigor e aplicabilidade.



Na mesa estiveram Mário Santos, ex-Chefe de Missão aos Jogos Olímpicos Londres 2012 e ex- Presidente da Federação Portuguesa de Canoagem (FPC), Duarte Lopes, Coordenador do grupo de trabalho da Secretaria de Estado do Desporto e Juventude para o tema Carreiras Duais e Estatuto de Estudante-Atleta e Coordenador dos serviços desportivos da Universidade de Lisboa, Fernando Parente, Membro do Comité Executivo da Associação Europeia do Desporto Universitário e Diretor do Departamento Desportivo e Cultural da Universidade do Minho e André Caiado, Estudante da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e atleta de Ténis universitário e federado.

Para Mário Santos “é urgente criar mecanismos para que a legislação resulte na prática e para que haja uma maior agilização”. O antigo Presidente deu como exemplo de boas práticas, o trabalho desenvolvido pela FPC em Montemor-o-Novo, com a construção de uma residência universitária, aproximando os locais de estudo e de prática desportiva.
Mário Santos realçou os resultados dos últimos anos nas provas de Canoagem, tendo sido “uma das modalidades que mais medalhas e resultados de relevo conquistou a nível internacional”.

Já André Caiado fez o enquadramento e deu a sua perspetiva da realidade que se vive em Coimbra sobre a existência e aplicação do Estatuto, destacando “a extrema dificuldade em conciliar o desporto com os estudos”.
Para o atleta, “existe em Coimbra um Estatuto com pouca articulação entre os diferentes intervenientes”. “No caso, por exemplo, da Faculdade de Medicina tem sido um entrave, já que a instituição não aposta no Desporto Universitário”, explicou.
Ainda na sua intervenção, André Caiado relembrou que “o Estatuto Atleta de Alto Rendimento, salienta a parte desportiva, enquanto o Estatuto Estudante-Atleta dá destaque à parte académica”. Estas discrepâncias criam, na opinião do estudante de Medicina, ”diferenças significativas na definição de critérios”.

Na sua intervenção Duarte Lopes referiu que “apesar de todo o enquadramento legal favorável à implementação do Estatuto, verifica-se pouca adaptação à realidade e aplicabilidade da regulamentação”.
O Coordenador do Grupo de Trabalho criado pela SEDJ para as Carreiras Duais e Estatuto Estudante-Atleta revelou algum do trabalho feito até agora, recordando que as recomendações sugeridas estão maioritariamente “viradas para o ensino, já que se constata que 80% dos atletas de alto rendimento são estudantes”.

Fernando Parente falou de algumas falhas existentes, nomeadamente, “a falta de um plano nacional para o Desporto, o que cria caminhos diversos, que vão surgindo de forma avulsa; a falta de política de infraestruturas desportivas sobretudo no Ensino Superior; o atraso das Instituições de Ensino Superior (IES) na adoção do Estatuto”.
O Membro do Comité Executivo da EUSA deu como um bom exemplo a Universidade do Minho, que, “num processo que se iniciou há 20 anos, passou já esta questão da figura de Estatuto para enquadrar dentro da própria Regulamentação da IES, o que cria obrigatoriedades, compreensão e aceitação, por parte de todos os intervenientes incluindo os professores”.



Após as constatações dos oradores gerou-se um período de intervenções por parte dos participantes, que deram exemplos da realidade nas suas IES e destacaram a importância da existência deste estatuto, com opiniões e questões levantadas, que proporcionaram um modelo de debate dinâmico e aberto.

Entre os principais temas debatidos destaque para os seguintes: qual a estrutura que deve ser criada no acompanhamento do Estatuto? Qual a compensação dada aos estudantes com mérito desportivo sempre que tenham mérito académico? Um resultado de destaque deve ser um requisito para obtenção do Estatuto?

A discussão e as intervenções dos participantes permitiram verificar a existência de uma multiplicidade de realidades entre diferentes IES. No entanto, alguns tópicos discutidos são praticamente unânimes, realçando que o modelo de Estatuto vai depender da ideia que cada instituição tem para o Desporto Universitário e que esse estatuto deve ser flexível e moldável no tempo, de acordo com os resultados alcançados.

Para os presentes, o Estatuto deve ser aplicado “a quem treina e compete”, deve ter “critérios claros e não demasiado alargados” e deve ainda ser “uma ferramenta ao serviço do aumento da prática desportiva, uma prática mais institucionalizada”.

Na discussão foi também claro o papel decisivo do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas e a importância da dinâmica interna para o desenvolvimento da cultura desportiva e aplicação e reconhecimento de qualquer Estatuto.
e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?