CMU Corta-Mato: Dia 2 - Salomé Rocha é Vice-campeã do Mundo Universitária



14 de abril, o dia mais esperado, foi um dia de emoções fortes no parque urbano de Lodz, Polónia. As expetativas iniciais acabaram por ser superadas, com a participação portuguesa a sair premiada com o brilhante 2º lugar de Salomé Rocha.



O dia acordou frio, mas sem chuva, o que previa provas rápidas, quer no setor feminino quer masculino, até pelas características do percurso, sem grandes dificuldades, com apenas uma subida a meio da volta.

Foram as atletas femininas as primeiras a entrar em ação, pelas 13h locais (12h em Portugal). A nossa equipa apresentou-se confiante e descontraída, concentrada em realizar a melhor prova possível. Com a temperatura já superior, a prova revelou-se, como se previa, bastante rápida, com as principais favoritas a colocarem-se desde a partida nos lugares da frente.






O ritmo imposto pela romena Ancuta Bobocel foi desde o início bastante forte, tendo realizado a corrida sempre na frente. Salomé Rocha manteve-se forte, a curta distância das romenas que lideravam a prova, controlando o esforço, andando durante as duas primeiras voltas na 3ª posição, acompanhando a segunda romena. Na última volta acabaria por ultrapassar a romena Roxana Birca e terminar num brilhante 2º lugar, a apenas 6 segundos de Bobocel e com o tempo final de 15m54s.

As outras atletas portuguesas tiveram uma prestação digna, mantendo-se durante toda a corrida a meio do pelotão, procurando alcançar a melhor classificação possível, individual e coletivamente. Com uma concorrência bastante forte, com vários países a apostar fundamentalmente na classificação coletiva, acabariam por contribuir para o 6º lugar final de Portugal, com o 36º lugar de Sara Carvalho e o 38º de Catarina Gonçalves. Bárbara Ferreira terminaria pouco depois no 44º lugar.

Recorde-se que Salomé Rocha em 2010 em Kingston, no Canadá, terminou em 12º lugar e este ano, numa prova com concorrência mais forte, onde estiveram presentes algumas potências mundiais da modalidade, acaba por demonstrar o quanto esta aluna da Universidade do Porto, treinada por Rui Ferreira, tem evoluído nos últimos anos.




A competição masculina iniciou-se logo após a cerimónia de entrega de prémios às atletas femininas, pelas 13h45 locais, menos 1h em Portugal.

Nesta prova Portugal apresentou-se com 2 atletas, Daniel Gregório, atual Campeão Nacional Universitário e Ricardo Vale, que acabariam por ter uma classificação modesta, face às expetativas e objetivos que haviam traçado no início. O 31º e 56º lugar finais, respetivamente, acabaram por deixar uma certa frustração nestes atletas, patentes no seu rosto no final da prova. No entanto quem acompanhou a corrida pode verificar a forma abnegada e esforçada com que percorreram as 6 voltas ao circuito.

O ritmo rápido, que já se previa, foi desde o início imposto pelos atletas japoneses, que acabariam contudo por secundar no pódio o argelino Abdelmajed Touil, grande vencedor deste Campeonato, com uma ponta final demolidora.

No final, a prestação portuguesa fica obviamente marcada pela medalha de prata obtida por Salomé Rocha, e pela forma como todos lutaram pelo melhor resultado possível, salientando-se sempre o espírito de entreajuda, amizade e bravura que ao longo desta presença em Lodz, toda a delegação demonstrou.

No final do dia todas as delegações puderam confraternizar no jantar de encerramento, com o ambiente saudável de relação e convívio entre os atletas-estudantes a ser mais uma vez uma característica destes eventos e onde foram igualmente entregues os prémios de classificação coletiva.




À conversa com o treinador Rui Ferreira, fizemos o balanço final desta participação:

O que representa este resultado da Salomé Rocha?
RF – É um momento importante no percurso desportivo da atleta. É o reconhecimento de um árduo trabalho e de grandes sacrifícios de uma jovem. É com certeza motivo de orgulho e motivação para o futuro.

A prova decorreu de acordo com as expectativas? Como avalia a prestação global de Portugal?
RF – A excelente prestação da Salomé supera as minhas expectativas, foi uma grande prova. Os restantes atletas portugueses também estiveram em bom nível. Bateram-se muito bem com a forte concorrência em prova.

Como avalia a qualidade dos atletas portugueses face à dos restantes atletas que estiveram em prova?
RF – Temos atletas com grande potencial, em nada inferiores aos atletas que estiveram em prova. Importa apoia-los e criar condições para que possam evoluir.

Qual a importância de um Mundial Universitário para a modalidade e para os atletas?
RF – O atleta tem assim mais uma oportunidade de competir num grande campeonato. É importante que o atleta passe por este tipo de competição, a dada altura da carreira. Permite-lhes ganhar experiencia em grandes eventos. Acredito que a participação dos atletas nesta prova será útil para o futuro destes jovens. Fazem falta mais campeonatos deste nível aos nossos jovens atletas.


A delegação portuguesa sai de Lodz, domingo pela manhã, com partida do aeroporto de Varsóvia pelas 17h10 locais, tendo chegada prevista para o Aeroporto Internacional do Porto às 23:15, hora portuguesa.
e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?