CMU Corta-Mato: Dia 1 - Últimos preparativos



A viagem da Delegação Portuguesa até Lodz, na Polónia, cidade que recebe o 18º Campeonato do Mundo Universitário de Corta-Mato, foi mais prolongada do que o previsto. A comitiva partiu do Aeroporto de Sá Carneiro, no Porto, pelas 6h da manhã e chegou ao Hotel já de noite. Apesar do cansaço acumulado, Portugal teve hoje o seu primeiro dia de trabalho.

A manhã do dia 13 de abril foi dedicada ao treino de reconhecimento do percurso onde se vai desenrolar o Campeonato, com os seis atletas a realizarem algumas voltas ao circuito. O percurso desenhado, situado no Parque Urbano 3 de Maio, é relativamente plano e rápido, ainda mais com a melhoria das condições atmosféricas que se preveem para sábado.

Ainda de manhã teve lugar a já habitual corrida dos Oficiais, que contou com cerca de 25 participantes, entre os quais, o treinador da nossa seleção, Rui Ferreira. Um momento de convívio e descontração, onde o resultado era o menos importante. Mesmo assim fica o registo do 5º lugar final para o português.




Ao almoço, a nossa delegação teve também oportunidade para conversar com outros elementos portugueses presentes neste Mundial Universitário. O Prof. Carlos Cardoso, presidente da Confederação do Desporto de Portugal, está presente na qualidade de delegado da IAAF a acompanhar o evento e ainda Paulo Ferreira, assistente para os Campeonatos Mundiais Universitários na FISU.


Foto de família com os guias da delegação portuguesa


O resto do dia por parte dos atletas foi dedicado a uma ligeira caminhada pela cidade e ao repouso.

Paralelamente decorreram dois encontros, com presença portuguesa. De tarde teve lugar a reunião técnica, onde além da entrega de dorsais e da lista de presenças, deu a conhecer todo o corpo técnico oficial do evento e os aspetos técnicos e logísticos relacionados com a prova. De realçar ainda no final da reunião, a sugestão para futuramente o campeonato ter lugar mais cedo, em finais de Março.

No final da noite, a organização recebeu num jantar todos os chefes de delegação, realizado na belíssima sala nobre da Reitoria da Universidade Tecnológica de Lodz. Mais um momento de convívio e confraternização entre a organização e as diferentes delegações, já habituais nestes eventos.




14 de abril: a prova

Amanhã, sábado, é o grande dia com a realização das competições feminina e masculina, respetivamente às 13h00 e 13h45 (12h00 e 12h45 em Portugal), após a cerimónia de abertura.

Os números finais confirmam a presença recorde de 23 países e um total de 131 participantes, 70 masculinos e 61 femininos, com algumas das potências internacionais da modalidade presentes.

A competição pode ser acompanhada em direto em live streaming, através da página oficial do evento http://wuc.cc2012.p.lodz.pl/


À conversa com os atletas

Para conhecer melhor o estado de espírito da delegação portuguesa, estivemos à conversa com os dois atuais campeões nacionais universitários de Corta-Mato (10 de Março, Guimarães), Carla Salomé Rocha e Daniel Gregório.

Salomé Rocha estuda ciências do desporto na Universidade do Porto e a 2 semanas de completar 22 anos, repete a sua participação neste Mundial. Em 2010 na cidade canadiana, Kingston, foi a 2ª melhor portuguesa, classificando-se em 12º lugar (Sara Moreira obteve o título Mundial).

Daniel Gregório, aluno de engenharia e gestão industrial na Universidade de Coimbra, faz, aos 22 anos a sua estreia num Mundial Universitário.

Depois da conquista do título de Campeã Nacional Universitário, perguntamos a ambos qual a sensação de participar numa prova desta dimensão.

SR – A sensação de voltar a participar nesta prova é bastante boa. Estão presentes grandes atletas e competir com elas é gratificante.
DG – Ser campeão nacional é sempre bom, representar o País é ótimo. Vejo que o meu trabalho é recompensado pelos responsáveis que nos observam, fazendo com que tenha mais vontade e força para continuar a um bom nível.

Quisemos saber também quais as expectativas destes atletas para a prova, tendo em conta as condições climatéricas e de piso que provavelmente irão encontrar e o tipo de percurso que tiveram oportunidade de conhecer hoje?
SR – As expectativas resume-se em dar o nosso melhor. Chegar o mais à frente possível, para termos também uma boa classificação coletiva. A distância é curta e a prova bastante plana, o que para uma prova de 5400 metros torna-se rápido, mas o piso é bastante instável. O tempo é bastante frio, pelo menos até agora, mas se o é para um é para todos. O principal objetivo é dar o melhor e chegar ao fim, olhar para trás e ter a sensação que dei o máximo e fiz tudo o que estava ao meu alcance, independente da classificação.
DG - A prova pelo que observei, é de piso rápido para um corta-mato, sendo praticamente plano, tendo só uma subida com elevada dificuldade. A distância é a normal para um evento deste nível, já quanto ao estado do tempo esperemos que não chova, visto que a temperatura é boa para a altura do ano em que estamos e para o País organizador. Expetativas só no final da prova, mas vou-me empenhar como sempre fazem para que a posição seja a melhor.

e-max.it: your social media marketing partner
 

Apoios Institucionais

Governo Português
IPDJ

Patrocionador Principal

Jogos Santa Casa

Parceiros

COSMOS
CISION

Membro

FISU
EUSA
COP
CPP
CDP
CNJ
FADU

Avenida Professor Egas Moniz
Estádio Universitário de Lisboa, Pavilhão nº1
1600-190 - Lisboa

e: fadu@fadu.pt
t: (+351) 21 781 81 60
f: (+351) 21 781 81 61

Newsletters

Social

ptenfr

FADU - Todos os Direitos Reservados © 2015
Desenvolvido por Drop Agency

Este website utiliza cookies que permitem melhorar a sua navegação. Ao continuar a navegar, está a concordar com a sua utilização. O que são Cookies?